Piercing, pode?

Esses dias a @heycaroldias perguntou no Instagram do Mundo Bailarinístico: “Bailarina pode usar piercing?” e a pergunta dela virou post!!! Mande também sua pergunta para eu responder por aqui 😉 Por enquanto vamos ficando com a resposta dela:
Em relação aos piercings, acredito que entrem na categoria acessórios, junto com os brincos, os anéis, os colares. É sabido que não é aconselhável que usemos jóias ou bijuterias na sala de aula, porque a pode machucar.

Continuar lendo


O que é um Cambré?

A pergunta de hoje foi da Giovanna Biondo:

O que é cambré Devant?

Continuar lendo


Fiz ballet quando eu era pequena, consigo voltar?

Essa é a pergunta de muitas leitoras do Blog e tenho certeza que muita gente que já fez ballet quando era criança tem essa mesma dúvida. A verdade mesmo é que todas têm a resposta dentro de si, no coração, só que muitas vezes tem medo de ouvir o SIM como resposta.

Continuar lendo


Ballet Adulto – Nunca fiz ballet na vida

“Nunca fiz Ballet na vida, mas sempre tive vontade de fazer, eu acho tão bonito”… Quantas e quantas vezes eu já ouvi essa frase em resposta quando eu digo que faço ballet! E a minha resposta sempre é: “E porque não vai fazer?” – O ballet para não crianças existe, está cheio de adeptos e adeptas incentivando, inspirando e mostrando que a o ballet não é só para crianças, o ballet é para quem quiser fazer!

Continuar lendo


Dança no frio – Cuidados especiais

Com a temperatura mais baixa, não podemos nos dar o luxo de ir para as aulas, mas é importante tomar alguns cuidados maiores em relação ao aquecimento, para evitar de se machucar.
Continuar lendo


Ponteiras de silicone: cuide bem delas

Suas ponteiras de silicone podem ter “vida eterna”, se você cuidar delas com carinho <3

Como?

Fiz uma listinha de cuidados especiais:

Continuar lendo


Porque você não deve faltar às aulas e ensaios

Faltar nas aulas é tempo perdido! A vida é muita curta para faltarmos no ballet e nos ensaios.

Continuar lendo


Pare de duvidar de si mesmo

Já parou para pensar quantas vezes você não acredito em você mesmo? Cada vez que a gente pensa negativo, que não vamos conseguir é como se nos boicotássemos.

Continuar lendo


Em julho, Joinville se torna o principal palco da dança no país

35º Festival de Dança de Joinville traz estreia da Cia. Deborah Colker para Noite de Abertura.
Evento ocorre de 18 a 29 de julho, 12 dias que fazem de Joinville – a capital nacional da dança – o palco para personalidades artísticas e bailarinos de 17 estados brasileiros, do Distrito Federal e do Paraguai e Argentina

Continuar lendo


Ballet adulto – Comece sem medo

Esses dias uma aluna nova, adulta, que nunca fez ballet antes, entrou nas aulas e duas coisas me chamaram a atenção e me fizeram vir escrever esse post.

A primeira observação é a facilidade que ela teve em entender os movimentos, as posições, a colocação do corpo de uma maneira geral, seguindo o ritmo. E a segunda observação, é dessa que vou falar aqui: é a cara de medo dela!

Primeiro foi assistir a primeira aula, sem fazer, só olhar. Quando terminamos a aula eu perguntei se ela gostou e ela respondeu que sim mas que estava assustada. A turma está um pouco adiantada em relação a ela que é iniciante, mas por questões de horário e estrutura e nessa turma que ela teria que voltar e voltou! Eba! Ela ter voltado foi a primeira vitória do ballet.

Então ela está frequentando as aulas, mas com aquele olho esbugalhado, uma tensão que transparece em cada gesto. A questão é, medo de que? Não há o que temer! Primeiro porque, no ballet, assim como em qualquer situação que a gente possa estar com medo ou vergonha, aquilo é tão íntimo e as pessoas ao nosso redor não estão nem aí pra nada disso. Ninguém está nos julgando ou cobrando, além de nós mesmos.

Além disso, todo mundo ali naquela turma já passou por isso. As primeiras aulas, os primeiros passos, as primeiras dores e as descobertas. Todos sabem ou imaginam como está se sentindo em seus primeiros dias de aula.

Comece sem medo! Entregue-se!

Não ache que você não vai conseguir, que as coisas são intangíveis, pois não são.

Basta querer, prestar atenção, repetir, repetir, repetir, perguntar que vai sair!

Texto publicado originalmente no blog Mundo Bailarinístico


Esfriou? Aumentou a nossa necessidade de se aquecer antes das aulas

Com a queda da temperatura fica ainda mais essencial que façamos o aquecimento antes de começarmos as nossas aulas. O aquecimento previne lesões e garante ganhos progressivos nos exercícios que fazemos em seguida.

Mas como posso me aquecer?

Abaixo alguns exercícios que são bons para fazer durante o aquecimento:

Flex e ponta
Sentar com as costas retas e as pernas esticadas a frente.
Flexionar os pés para cima, isso ajudará na meia ponta e nos saltos.
Depois estique-os para baixo, inclinando peito e dedos dos pés, para fazer ponta.

Borboleta
Sentar-se com o pescoço e pernas eretas, juntar os pés e balançar. Vai ajudar no en dehors.
Depois mantendo a borboleta, levar os braços para o chão na frente do corpo, para alongar fortemente o quadril e costas. Cabeça no pé.

Andar pela sala
Caminhando pela sala de aula, pode aumentar e diminuir o ritmo da caminhada, quem sabe até correr.

Mexendo a cabeça
Exercitar as diversas maneiras de se colocar a cabeça: frente, atrás, para baixo, virada e inclinada.

Ombros
Movimentar os ombros juntos e separados para cima e para baixo e rotação.

Elevações
De frente para a barra, na sexta ou primeira posição, fazer elevações e relevés. Pode começar alternando um pé na meia ponta, depois o outro e por fim fazer com os 2.

Pliés
São sempre bem-vindos como aquecimento.

Você também pode utilizar polainas, perneiras, calças ou meias de lã para ajudar no aquecimento.

Texto publicado originalmente no blog Mundo Bailarinístico


Chegando cansado (a) das aulas? Dicas para relaxar

Quem não fica cansado com a rotina de aulas, ensaios + a nossa vida “normal”? Vamos vencer o cansaço e o estresse tentando relaxar quando chega das aulas.
Não vai demorar nada e vai fazer bem para renovar suas energias.

Respire

Preste atenção na sua respiração. Faça isso com calma. Para relaxar, você pode realizar uma série de respirações profundas e lentas.

Massageie-se

Faça uma pequena massagem para relaxar os músculos do pescoço, da nuca, dos ombros e principalmente nos pés e pernas. Com carinho.

Ouça uma música tranquila que você goste

Cuidado apenas para não por uma música muito agitada, lembre-se que o objetivo era relaxar.

Faça um lanche

Coma tranquilamente, sem pressa. De forma meditativa, mantendo-se consciente do sabor, de cada som produzido em sua boca e de todas as sensações vivenciadas nessa experiência.

Afaste-se do computador e do celular

O uso ininterrupto do computador está associado a manifestações de insônia, estresse e depressão.

Cuide de uma plantinha

As plantas não somente ajudam a limpar o ar que você respira, como também são capazes de acalmá-lo.

Relaxe os músculos progressivamente

Se você quer se acalmar rapidamente, experimente este exercício de relaxamento progressivo. Concentre sua atenção nos músculos dos pés. Contraia-os o máximo possível e, a seguir, relaxe-os. Repita o exercício em cada músculo do corpo, até mesmo os do rosto.

Medite

Não é necessário ir para o meio do nada para realizar uma boa meditação. Essa atividade pode ser realizada em qualquer momento ou lugar. Basta concentrar-se na respiração e atentar-se a tudo que se passa ao redor, sem deixar-se levar por qualquer estímulo específico.

São pequenas coisas que muitas vezes a gente que não tem tempo para fazer, mas encontramos tempo para outras coisas… Relaxar é uma delícia!

Vai se sentir sempre pronto para outra aula!

Texto publicado originalmente no blog Mundo Bailarinístico


Meia ponta alta!

Ter a meia ponta alta é muito importante para bailarinos (as). No caso dos meninos é o trabalho máximo e no caso das meninas é uma das premissas para começar a usar a sapatilha de ponta.
Ao fazer uma elevação ou relevés sua meia ponta tem que estar alta para manter uma linha definida e continuidade. Para conseguir esse trabalho, suas pernas precisar estar fortalecidas e alongadas e os joelhos esticados.

Os dedos devem estar todos “espalhados” no chão. Cuidado para não “dobrá-los”. Aproveite o chão para ficar bem em cima dos dedos e do seu metatarso (planta do seu pé).

Manter o en dehors também é sempre muito importante! Ele irá fazer com que o seu calcanhar fique posicionado corretamente, sem ficar caído, entortando seu pé e sua linha.

Trabalhar o cólo de pé é também essencial para conseguir uma meia ponta altíssima. Exercícios de flex x ponta e fortalecimento de tornozelos irão ajudar no seu demi-pointé.

Quando o trabalho de pontas é iniciado percebemos a importância que devemos dar para este trabalho de meia ponta. Com ela você vai trabalhar força e equilíbrio.

Espero ter ajudado!

Bom trabalho!

foto: Stars Dance


Cursos de Férias na Escola do Teatro Bolshoi no Brasil

Atenção bailarinos e professores, a Escola do Teatro Bolshoi no Brasil divulga a lista dos Cursos de Férias oferecidos por profissionais da instituição, em julho de 2017, durante o Festival de Dança de Joinville.

Dez cursos foram disponibilizados: balé clássico iniciante e intermediário, variações de repertorio, Dueto e Introdução ao Método Vaganova Bolshoi Brasil para professores.

Todos os cursos com certificado via Bolshoi Brasil. A lista já está disponível no site do Festival de Dança (http://www.ifdj.com.br/bolsh…/cursos-2017/compra_cursos.aspx) e a venda já está aberta. Escolha o seu e não perca essa oportunidade


Como se dá a formação de um bailarino


A Patricia Derrossi, leitora do Blog, enviou sua dúvida e parte desta pergunta virou este post: “Preciso de ajuda para entender melhor como se dá a formação completa de um bailarino”. Como esta dúvida deve ser comum entre muitas pessoas, achei pertinente preparar um texto sobre este assunto, contando com a ajuda de algumas escolas de formação bailarinística.

Como assim escolas de formação?

Existem muitas escolas de Ballet pelo país, mas nem todas trabalham com a formação de Bailarinos. Geralmente, escolas que formam incluem metodologia e um programa, divido em níveos, com aproximadamente 9 anos de estudos. “O aluno pode passar por 9 anos de estudos, se ele ingressar no Baby Class” comenta Fernanda Barreto do Studio de Dança Fernanda Barreto.

Aulas

Esses estudos não incluem apenas as aulas clássicas de Ballet, as escolas oferecem aos seus alunos uma grade bem extensa e diversificada, formando um bailarino por completo, com noções em várias áreas.

Na Escola de Dança Maria Olenewa, uma das mais tradicionais do país, o curso profissionalizante conta com aulas de balé clássico, pas-de-deux, repertório clássico, danças características, dança espanhola, balé contemporâneo, composição e improvisação, história da arte, história da dança, terminologia da dança clássica, educação musical, comportamento e atitude profissional, funcionando de segunda a sexta.

“… são conhecimentos teóricos que irão contribuir para o futuro da Carreira como artista” – diz Nelma Darzi, Diretora Artística da Escola de Dança Petite Danse.

Tempo

Outro ponto que diferencia o Ballet de formação de cursos livres é o tempo dedicado aos estudos. Além da quantidade de anos, que já citei, precisamos considerar também o tempo que o aluno fica na escola, tendo aulas ou realizando trabalhos relacionados. Na Escola do Teatro Bolshoi no Brasil o aluno tem uma média de 4 a 6 horas de atividades por dia, entre aulas teóricas e práticas.

Método e Programa de Ensino

Essas escolas trabalham com métodos ou programas de ensino específicos, a Escola de Dança Adriana Assaf, por exemplo, uma das maiores e melhores escolas de ballet de nosso país, oferece um curso completo, organizado, com metodologias de ensino internacionais, ajudando no desenvolvimento e educação da crianças através da dança, formando excelentes profissionais. A Escola é filiada a Royal Academy de Londres, dando formação internacional.

A Escola Bolshoi Bolshoi ensina a técnica de balé segundo a metodologia Vaganova, dança contemporânea e disciplinas complementares. Tem suas atividades educacionais credenciadas junto ao Ministério da Educação – MEC. Estando os cursos, conforme legislação, aprovados pelo Conselho Estadual de Educação e a Secretaria Municipal de Educação

Na Petite Danse, para as turmas de dança nível básico, médio e técnico utilizam como referência o Método Vaganova da escola russa, sendo adaptado pela equipe pedagógica da escola.

Níveis e Idades

Normalmente as escolas dividem esses 9 anos de formação em alguns ciclos. Vejamos o exemplo da , a Escola de Dança de São Paulo que apresenta o Programa de Formação desenvolvido ao longo de nove anos nos ciclos: Fundamental, Intermediário e Profissionalizante.

É comum ouvirmos em falar em divisões com os termos: Preliminar; Básico; Intermediário… Esses termos mudam de escola para escola e de método para método, mas de maneira, geral, seguem uma divisão bem parecida entre elas e devem considerar idade x níveis x técnica.

A formação, na maioria dos lugares, começa mesmo com 7 ou 8 anos. Antes disso é um nível apenas preparatório, chamados Baby Class, Pré-ballet entre outros.

Estrutura

Muitas são as preocupações de uma escola que forma Bailarinos quando falamos em estrutura, tanto física (local) quanto em qualidade de profissionais.

Estamos falando de salas com piso ideal para aula de dança; salas para aula teóricas, vestiários, salas de ginástica; laboratório cênico; ateliês; consultórios médicos; acústica; aulas com pianistas e/ou percussionistas; espaços para espera e aquecimento; psicólogos; fisioterapeutas e por aí vai!

“A Escola Bolshoi dispõe de uma estrutura completa, espaço ideal para abrigar essa absoluta dedicação profissional ao ensino da dança e formar artistas”

Cursos Profissionalizantes | Curso Técnico em Dança

“Muitos alunos procuram escolas de Dança com objetivo de se tornarem bailarinos no futuro, mas nem sempre isso vai ser possível, em função da idade ou em função do próprio físico. E através do curso profissionalizante ele pode realizar o sonho de trabalhar com dança, mesmo não sendo bailarino profissional de uma companhia, mas ele pode trabalhar como coreógrafo, como professor, como arte educador, sem necessariamente ser um bailarino” – – Nelma Darzi Diretora Artística da Escola de Dança Petite Danse

A escola oferece o Curso Técnico Profissionalizante, autorizado pela Conselho Estadual de Educação do Rio de Janeiro, realizado em três anos de nível técnico com aulas práticas e teóricas. Para ingressar o aluno precisa fazer uma aula avaliativa na modalidade de interesse do candidato. Caso o candidato não tenha nenhum conhecimento em dança, deverá inicialmente ingressar no curso Pré- profissional para adquirir conhecimentos fundamentais e indispensáveis ao curso profissional.

Em São Paulo, A escola da Adriana Assaf foi oficializada pela Secretaria de Educação do Estado de São Paulo, através do Curso Técnico de Dança, garantindo ainda mais sua qualidade de ensino. Com Curso Técnico de Dança reconhecido pelo MEC e com parecer Técnico do Senai/Sesi, tendo validade nacional.

Além disso na ETEC de Artes é oferecido também o Curso Técnico em Dança para formar profissionais que desenvolvem atividades ligadas à criação e à execução de dança, atuando como bailarinos, dançarinos, diretores ou assistentes de palco e contrarregras. Domina os diferentes gêneros e estilos de dança. Emprega técnicas de dança e recursos de improvisação, em espaços cênicos, como formas de expressão corporal.

Cias das Escolas

Muitas escolas crias suas próprias companhias de dança a fim de utilizá-las como uma espécie de laboratório para seus bailarinos, preparando-os para o mercado e abrindo portas para quem sabe poderem dançar em companhias pelo mundo.

Foi o que fez a Adriana Assaf, Fundada em 2006, a Cia Paulista de Dança tem como objetivo servir de laboratório para sua escola, ajudando na formação e desenvolvimento dos alunos, onde podem participar de grandes montagens de espetáculos de dança e conhecer seus repertórios. Também é uma geradora de emprego, dando espaço de trabalho e remuneração para os profissionais da dança.

A Companhia Dançar a vida foi fundada em 2009 pela sua atual diretora artística Nelma Darzi, da Petite Danse. Nos dias atuais se firma como uma das principais Cias do país, revelando talentos e apresentando espetáculos de qualidade, fomentando assim a cultura no Brasil.

Audições

Muitas escolas selecionam os seus alunos por meio de audições, fazendo um filtro, já com algumas considerações. Como elas funcionam?

Vou exemplificar explicando como é na Escola Bolshoi (uma das mais almejadas)

“A audição consiste em duas etapas: médica-fisioterápica, em que fisioterapeutas, médicos, professores de educação física e de dança analisam postura, estrutura e habilidades físicas, motoras, frequência cardíaca e respiratória, percentual de massa corpórea, força, musculatura e articulações. A segunda é a artístico-musical e cognitiva, em que profissionais da dança, músicos e professores avaliam as habilidades técnicas e artísticas, musicalidade, projeção cênica e também o desempenho intelectual dos candidatos”

Faculdade de Dança

O curso superior de Dança é moldado para aqueles que desejam aumentar e aprimorar seus conhecimentos nas artes corporais. O curso pode ser oferecido como Licenciatura ou Bacharelado. A escolha da modalidade depende da área desejada pelo estudante. Algumas universidades, como a Unicamp, aplicam prova de habilidades específicas em seu vestibular.

O que podemos perceber é que não importa em qual escola você vai vai fazer ballet, todas elas irão exigir de você uma dedicação enorme e muita disciplina, que só muito AMOR pela dança vai justificar.

SERVIÇO

Adriana Assaf
Tel: 11 2097-7607 / 2296-5021
Endereço: Rua Emilio Mallet 1440 – Tatuapé – SP
www.adrianassaf.com.brwww.escolabolshoi.com.br

Escola de Dança de São Paulo
Praça das Artes
Av. São João, 281 – 6º Andar
Tel.: +55 11 4571 0482
escoladedanca@prefeitura.sp.gov.br
www.theatromunicipal.org.br/formacao/escola-de-danca-de-sao-paulo

ESCOLA DE DANÇA MARIA OLENEWA
(21 55) 2333-4110 / 2332-9129
eedmotheatromunicipal@gmail.com
www.theatromunicipal.rj.gov.br/escolas-de-formacao/escola-de-danca-maria-olenewa

Escola de Dança Petite Danse
nelma.darzi@petitedanse.com.br
(021) 98207 1581 | 2571-7531
www.petitedanse.com.br

ETEC de Artes
Av. Cruzeiro do Sul, 2630 –
Prédio 2, Santana – São Paulo
www.etecdeartes.com.br

Studio de Dança Fernanda Barreto
studiodedancafb@gmail.com
(83) 3058-2039 (Studio)
(83) 8738-3533

*Texto publicado originalmente no blog Mundo Bailarinístico


Coreografias limpas, outro nível

Coreografias limpas saltam aos olhos de quem dança e de quem assiste! Nada como ver tudo organizado, principalmente quando não são solos. Duos e grupos em sintonia, fazendo movimentos iguais, ao mesmo tempo, seguindo o ritmo.


Significado de limpeza em dança

Limpeza – Quando os movimentos ou a coreografia está limpa significa que tudo está acontecendo certo. O mais perfeito possível. Falamos: “Fulana é limpa” ou “precisamos limpar a coreografia”.

Com a coreografia devidamente memorizada vai começar a fase de limpeza. Aprimoramento técnico; percepção de detalhes; confirmação de poses; posições de pernas, braços, mãos, cabeças…; posicionamentos; desenhos.

Para professores

Não podem deixar a preguiça e nem a pressa atropelarem esse processo de limpeza tão importante e essencial para um bom resultado do trabalho.

Para os alunos ou bailarinos

É sempre importante entender as repetições, dar atenção a todos os pequenos detalhes, ajudar o professor ou ensaiador falando quando não sabe muito bem determinado movimento, ou quando perceber que tem alguém fazendo diferente. Ser ser “dedo duro”, mas buscando apenas o esclarecimento do que deve ser feito.

Quanto mais repetirmos, mais teremos o domínio daquela coreografia e como é bom dançar seguro do que está fazendo.

Não será por acaso que, em francês, a palavra ensaio se diz “répéter”. É preciso repetir, repetir, repetir, ensaiar e repetir (de novo).
Uma coreografia limpa vale muito!!!!!!
Pode ser simples, se estiver bem limpinha mesmo fica tão linda!

Texto publicado originalmente em Mundo Bailarinístico

 

 

 

 


O que é ser Maítre de Ballet?

Sempre ouvimos falar que alguém é  ou foi um grande Maitre de Ballet. Mas afinal o que significa? O post de hoje será dedicado a esta pergunta.

MAITRE, MAITRESSE-DU-BALLET
É o responsável, junto ao coreógrafo, por manter e remontar, quando necessário, a obra, respeitando sua autenticidade, qualidade técnica e artística. O maitre também dá aulas à companhia cuidando da unidade de trabalho e estilo que estão em sua responsabilidade.

Ou
MAITRE DE BALLET – Dirige os bailarino ou dançarinos do corpo de baile, zelando pelo rendimento técnico e artístico do espetáculo; ensaia bailarinos ou dançarinos; remonta coreografias; ministra aulas de dança em companhia especifica.

É também responsável distribuir os papéis e conduzir os ensaios.

Até o final do século XIX , com raras exceções, o papel de Maitre era exercido sempre por um homem. Ele era o principal, se não o único, coreógrafo da companhia. Hoje em dia muitas mulheres exercem essa funções em cias e os trabalhos coreográficos não são exclusividade dos Maitres.

Ele está presente nas decisões, na criação e recriação de obras, participando dos trabalho coreográfico. Além disso ele coordena o trabalho de músicos e técnicos com os bailarinos.

É a memória do repertório da companhia. Um Maitre de ballet também é um professor o que garante que ele conheça bem os bailarinos lidando com eles diariamente em suas rotina de aulas.

Alguns Maítres famosos:

Frederick Ashton (1904-1988)
George Balanchine (1904-1983)
August Bournonville (1805-1879)
Enrico Cecchetti (1850-1929)
Jean Coralli (1779-1854)
Jean Dauberval (1742-1806)
Anthony Dowell (1943-)
Pierre Gardel (1758-1840)
Lev Ivanov (1834-1901)
Serge Lifar (1905-1986)
Rudolf Nureyev (1938-1993)
Jean-Georges Noverre (1727-1810)
Jules Perrot (1810-1892)
Marius Petipa (1818-1910)
Arthur Saint-Léon (1821-1870)
Filippo Taglioni (1777-1871)
Gottfried Taubert (1679-1746)
Salvatore Viganò (1769-1821)

Fontes:
https://fr.wikipedia.org/wiki/Ma%C3%AEtre_de_ballet
http://satedrs.org.br/leis/5/funcoes-em-que-se-desempenham-atividades-artisticas/

 

Texto publicado originalmente no blog Mundo Bailarinístico

Crédito: danceinternacional.org


Dica para Professores (as) de Ballet – Preparando suas PRÓPRIAS aulas

Começo de ano e tenho recebido alguns e-mails e mensagens pedindo ajuda sobre planejar as aulas. Aí eu respondo que aqui no Blog tem muitas das minhas dicas todas reunidas. E olha que não é pouco material que tem aqui. Mas fico impressionada com a falta de preparo desses professores. Cheguei a ler um comentário “as informações que acho na Internet são muito superficiais, preciso de mais coisas”. Hei, pera aí! Dar aulas, prepará-las, planejá-las é uma tarefa difícil sim e é uma das funções de um professor de dança!!!

A aula
“Do ponto de vista prático, uma boa aula é um cruzamento de quatro linhas de força. A primeira diz respeito a você. A segunda é o conteúdo em si. A terceira está nas condições externas (ambiente, barulho externo, iluminação, calor, conforto da sala etc.). A quarta e mais importante diz respeito aos alunos” (Texto: Editora Contexto).

Selecionei algumas dicas para ajudar professores e professoras a prepararem suas PRÓPRIAS aulas! Como diriam meus pais “não é dar o peixe, é ensinar a pescar”. Uma aula não pode ser fundamentada somente em ideias dos outros que estão em Blogs…

Um professor, se quer ser profissional, pode sim buscar ajuda, mas deve ter bagagem e formação para dar aulas. Deve criar seus próprios conteúdos, usar sua própria criatividade, perceber a sua turma, as suas condições, os níveis; fazer cursos,comprar e ler livros e juntar tudo isso com a pesquisa que fez na Internet e ter suas próprias aulas.

E digo mais: não deve fazer isso uma única vez por ano!

DICAS PARA ELABORAÇÃO DE PLANOS DE AULAS

1) Ordene as aulas e prepare-se

A ordem das aulas precisam fazer sentido considerando um objetivo e o nível das turmas. Você deve estar preparado para mudanças nesses planos, pois nem sempre vai dar para fazer o que a gente imagina e pronto também para responder perguntas, fazer explicações dentro do que você proprôs para suas aulas.

2) Trace objetivos. 

O que os alunos deverão ser capazes de fazer ao final de um determinado período?

3) Perceba níveis

O que os alunos já sabem fazer? Como aprimorar? Se a turma não era sua, antes mesmo de começar a ensinar coisas novas, procure saber o que os seus alunos já sabem.

4) Desperte interesse nos alunos

Propor pesquisas acerca dos exercícios trabalhados em aula, sugerir que assistam vídeos, contar para eles seus objetivos para eles, colocar um festival ou um espetáculo como meta para irem se apresentar, fazer atividades complementares às aulas normais, aproveitar datas para ter aulas sazonais, são algumas estratégias para despertar e manter o interesse deles pelas aulas.

5) Planeje

É fundamental que você pense como vai dividir suas aulas e de que maneira vai dá-las.

6) Monte as aulas

Principalmente se for algo novo, monte elas antes de sair dando aula na hora. Coreografar as aulas é uma tarefa difícil, mas importantíssima.

7) Escolhas músicas

Ao montar suas aulas, escolha músicas que ajudem você com elas. Alguns exercícios você pode montar em cima de determinadas músicas.

Critérios a serem levados em consideração:

– O tipo de aula
– A experiência da turma
– As condições do espaço de trabalho
– A duração da aula
– A temperatura da sala
– A quantidade de aulas que a turma tem por semana
– A idade dos alunos

Pensando melhor na preparação de uma aula

ESTRUTURA DA AULA

Uma aula de Ballet pode ser dividida em fases:

– Atividades Preparatórias
Aquecimento, movimentos de fortalecimento, pequenos alongamentos

– Treino
Aula em si, barra, centro, diagonal – Trabalho técnico; consciência corporal, aumento das aptidões; promover a qualidade e variedade de movimentos.
É bom existir repetição desde que fundamentada, para não cansar a turma ou perder tempo.

– Conclusão
Finalização da aula, pode ter composições coreográficas, relaxamento ou agradecimentos

GESTÃO DE TEMPO

Uma aula de ballet clássico, tradicional, deve ser dividida entre: aquecimento | barra | centro | diagonal.
Pensando nisso você vai distribuir o tempo entre os exercícios.
Claro que tudo vai depender da quantidade de minutos que tem a sua aula.
Normalmente, elas têm de 45 minutos até 1h30.

Considerando que o gráfico tem 100% dos seus minutos, resolvi dividir em porcentagem, assim fica mais fácil de administrar, independente dos minutos da sua aula. Basta você fazer o cálculo da porcentagem.

Cabe a cada professor estruturar sua aula diante de suas condições (quantas vezes por semana dá aulas, se precisa ou não ensaiar durante as aulas, se quer dar uma aula específica, focada em algum tipo de exercício, se a sala de aula cabem grupos grandes ou pequenos) e elas precisam ser levadas em consideração.

AULAS TEMÁTICAS

Escolher um tema, uma ideia, um movimento ou um grupo de movimentos para trabalhar e desenvolver a partir dessa ideia, objetivos que irão guiar o resto do desenvolvimento da aula, com atividades que levarão à concretização desses objetivos.

Exemplos:

– Preparação para giros
– Aulas voltadas para saltos
– Alongamento/ abertura
– Estímulo de musicalidade
– Direcionando para valsas
– Pas de deux
– Inspirada em algum ballet de repertório
– Usando datas sazonais (dia das mães, páscoa)
– Enfatizar determinada parte do corpo

SÉRIE DE AULAS

Você pode criar uma série de aulas diferentes, mas com o mesmo tema ou mesmo objetivo.

AVALIANDO SUAS PRÓPRIAS AULAS

Ao longo do processo é necessário perceber se está dando certo, se o objetivo está sendo alcançados, se os resultados estão dentro do esperado quando começou a organizar.

Podemos nos reger pelas seguintes perguntas:
– A turma desfrutou a aula?
– A turma achou a aula agradável e acabou com um sentimento de alegria?
– Os exercícios foram apropriados?
– A música foi adequada à aula?

Caso alguma resposta seja não, o professor deverá ser capaz de planear a próxima aula de acordo com a avaliação.

Acho que é isso:
Não é fácil começar. Seria muito mais fácil e cômodo encontrar tudo mastigado, mas não pode ser assim.
Acredito que no meu Blog e em tantos outros tenham muitas dicas legais, bastante material mesmo que a gente compartilha e essa é a intenção, ajudar as pessoas, sejam alunos ou professores, masssssss se a pessoa está tão perdida, ela deve perceber que não talvez não tenha condições de dar essas aulas.

Referência:
https://sites.google.com/site/lucilaportugal/novidades/escoladedancaopenfloor-mirandela/escola-de-danca-open-floor/bodyfusion/os-beneficios-da-danca/nocoes-e-planeamento-de-danca-criativa

 

Texto publicado originalmente no blog Mundo Bailarinístico