Diálogos entre a Ciência e a Dança

A arte é inerente ao ser humano desde suas origens, contudo, a produção da arte é um desafio em um mundo capitalista, onde a falta de incentivo e valorização prevalece. Não obstante, o meio acadêmico também sofre com o constante corte de verbas e desvalorização. Neste palco ainda em blackout o bailarino pesquisador se questiona: “haverá espaço para as Ciências da Dança?” e a luz no fim do túnel se acende como um holofote, ou um farol do outro lado do oceano. E o jeitinho brasileiro é sair do Brasil, largar tudo para ir buscar lá longe o que não conseguimos produzir aqui, e voltar, carregando o peso do conhecimento na mala, correndo risco de ainda pagar imposto. Continuar lendo


Escolhendo a sapatilha de ponta ideal na Ana Botafogo Boutique

Nesse vídeo, Juliana Xavier, do Tutu da Ju, vai até nossa Boutique para mostrar como escolher a sapatilha de ponta ideal!

Continuar lendo


5 motivos para não se comparar aos outros

Nesse vídeo, nossa parceira de conteúdo, Renata Darzi, da Escola Petite Danse, explica por que o hábito de se comparar com os outros é tão ruim e como evitar que isso atrapalhe a sua carreira.

Continuar lendo


O que não fazer na aula de ballet?

Carol Lancelloti fala sobre dicas técnicas do que não se deve fazer durante as aulas de ballet.

Continuar lendo


Pé forte ou pé fraco?

Esse tema veio instigado por uma pessoa que gosto muito, que é a Lu, que é muito atenta as perguntas de suas clientes e responsável pela linda Ana Botafogo Boutique. Cerca de 2 anos atrás, a Lu me perguntou: Helô, por que as alunas de ballet que veem comprar sapatilhas de ponta e dizem que têm um pé forte, querem uma sapatilha forte e vice-versa? Não deveria ser ao contrário? Entendi a dúvida dela, sorri e comecei a explicar¹.

Continuar lendo


Sapatilhas de ponta: tudo o que você precisa saber

Carol Lancelloti, do canal Meia Ponta, fala sobre as principais marcas de sapatilha de ponta e a diferença entre elas. Confira no vídeo:

Continuar lendo


7 FORMAS DE VIVER DA DANÇA SEM SER BAILARINO PROFISSIONAL

Você sabia que existem várias opções de carreira que envolvem dança e não necessariamente exigem que você seja um bailarino profissional ou que tenha um nível técnico avançado? Nesse vídeo, nossa parceira de conteúdo, Renata Darzi, do canal da Escola Petite Danse, dá 7 dicas de profissões que podem te manter financeiramente estável e não exigem tanto da sua performance nos palcos!

Continuar lendo


Ballet Adulto: Expectativa vs Realidade

Tem curiosidade de saber como é começar a fazer ballet já adulta? Nossa parceira de conteúdo, Carol Lancelloti, do canal Meia Ponta, relembra todas as expectativas que tinha e conta o que conseguiu realizar. Veja no vídeo:

Continuar lendo


Ensino da técnica do ballet clássico para adultos: Considerações – 16ª parte

Olá,

Finalizando a minha série sobre o trabalho na barra, nesta postagem o objetivo é refletir sobre o exercício do battement developpé.

Habitualmente chamado de developpé nas salas de aula de balé é, conforme a mestra Vaganova, um movimento de adágio e com tempo lento. Aragão e Caminada (2006, p. 142) traduzem a palavra developpé como desenvolvido, desdobrado.

Continuar lendo


Fiz ballet quando eu era pequena, consigo voltar?

Essa é a pergunta de muitas leitoras do Blog e tenho certeza que muita gente que já fez ballet quando era criança tem essa mesma dúvida. A verdade mesmo é que todas têm a resposta dentro de si, no coração, só que muitas vezes tem medo de ouvir o SIM como resposta.

Continuar lendo


Ballet Adulto – Nunca fiz ballet na vida

“Nunca fiz Ballet na vida, mas sempre tive vontade de fazer, eu acho tão bonito”… Quantas e quantas vezes eu já ouvi essa frase em resposta quando eu digo que faço ballet! E a minha resposta sempre é: “E porque não vai fazer?” – O ballet para não crianças existe, está cheio de adeptos e adeptas incentivando, inspirando e mostrando que a o ballet não é só para crianças, o ballet é para quem quiser fazer!

Continuar lendo


3 DICAS IMPERDÍVEIS PARA SOLISTAS

Durante várias anos no qual participo da banca de jurados em diversos festivais, tenho certo de que é preciso mais do que a técnica deslumbrante para ter sucesso em competições nacionais e internacionais. Você também precisa de um excelente coach (treinador).

Continuar lendo


Meu sonho era ser bailarina

As manifestações culturais se expressam em diversas áreas como na música, no teatro, nos esportes e na dança. Historicamente a dança sempre se mostrou instrumento fundamental para a expressão de um povo, seja de forma religiosa, lúdica ou performática.

Continuar lendo


Ballet adulto – Comece sem medo

Esses dias uma aluna nova, adulta, que nunca fez ballet antes, entrou nas aulas e duas coisas me chamaram a atenção e me fizeram vir escrever esse post.

A primeira observação é a facilidade que ela teve em entender os movimentos, as posições, a colocação do corpo de uma maneira geral, seguindo o ritmo. E a segunda observação, é dessa que vou falar aqui: é a cara de medo dela!

Primeiro foi assistir a primeira aula, sem fazer, só olhar. Quando terminamos a aula eu perguntei se ela gostou e ela respondeu que sim mas que estava assustada. A turma está um pouco adiantada em relação a ela que é iniciante, mas por questões de horário e estrutura e nessa turma que ela teria que voltar e voltou! Eba! Ela ter voltado foi a primeira vitória do ballet.

Então ela está frequentando as aulas, mas com aquele olho esbugalhado, uma tensão que transparece em cada gesto. A questão é, medo de que? Não há o que temer! Primeiro porque, no ballet, assim como em qualquer situação que a gente possa estar com medo ou vergonha, aquilo é tão íntimo e as pessoas ao nosso redor não estão nem aí pra nada disso. Ninguém está nos julgando ou cobrando, além de nós mesmos.

Além disso, todo mundo ali naquela turma já passou por isso. As primeiras aulas, os primeiros passos, as primeiras dores e as descobertas. Todos sabem ou imaginam como está se sentindo em seus primeiros dias de aula.

Comece sem medo! Entregue-se!

Não ache que você não vai conseguir, que as coisas são intangíveis, pois não são.

Basta querer, prestar atenção, repetir, repetir, repetir, perguntar que vai sair!

Texto publicado originalmente no blog Mundo Bailarinístico


Esfriou? Aumentou a nossa necessidade de se aquecer antes das aulas

Com a queda da temperatura fica ainda mais essencial que façamos o aquecimento antes de começarmos as nossas aulas. O aquecimento previne lesões e garante ganhos progressivos nos exercícios que fazemos em seguida.

Mas como posso me aquecer?

Abaixo alguns exercícios que são bons para fazer durante o aquecimento:

Flex e ponta
Sentar com as costas retas e as pernas esticadas a frente.
Flexionar os pés para cima, isso ajudará na meia ponta e nos saltos.
Depois estique-os para baixo, inclinando peito e dedos dos pés, para fazer ponta.

Borboleta
Sentar-se com o pescoço e pernas eretas, juntar os pés e balançar. Vai ajudar no en dehors.
Depois mantendo a borboleta, levar os braços para o chão na frente do corpo, para alongar fortemente o quadril e costas. Cabeça no pé.

Andar pela sala
Caminhando pela sala de aula, pode aumentar e diminuir o ritmo da caminhada, quem sabe até correr.

Mexendo a cabeça
Exercitar as diversas maneiras de se colocar a cabeça: frente, atrás, para baixo, virada e inclinada.

Ombros
Movimentar os ombros juntos e separados para cima e para baixo e rotação.

Elevações
De frente para a barra, na sexta ou primeira posição, fazer elevações e relevés. Pode começar alternando um pé na meia ponta, depois o outro e por fim fazer com os 2.

Pliés
São sempre bem-vindos como aquecimento.

Você também pode utilizar polainas, perneiras, calças ou meias de lã para ajudar no aquecimento.

Texto publicado originalmente no blog Mundo Bailarinístico


Estreia mundial do ballet “O Menino do Pijama Listrado”

No último dia 25 de maio, no centro cultural “Cast”, em Doncaster, Inglaterra, estreou mundialmente o ballet “O Menino do Pijama Listrado”. Baseado no livro homônimo do escritor irlandês, John Boyne, lançado em 2006, a história foi adaptada para um filme de longa-metragem, em 2008. O enredo dramático é simples e linear, porém denso.

O menino Bruno, belamente interpretado por Metthew Koon, é filho de um general da SS, o exército nazista. O general, interpretado por Javier Torres, é promovido à comandante e se muda de Berlim com a família. Bruno, seu pai, sua mãe (Hannah Bateman) e a irmã Gretel, de 13 anos. Interpretada por Antoinette Brooks-Daw, Gretel chamou a atenção pela doçura e precisão.

Assim que abriram as cortinas, a primeira cena nos situou em tempo em espaço. Uma sala fria com luz entrando por uma vidraça bem acima da mesa de madeira, posta em um pequeno elevado, onde o comandante trabalhava. Uma águia prateada, símbolo do exército alemão, era a única peça de decoração além da mesa. A decoração do ballet, criada por Mark Bailey, foi simples, objetiva e eficaz. Em especial a cerca.

Com um lado mais alto que o outro, a cerca atravessava o palco em linha reta e transmitia a ideia da imensidão de ‘out-with’. Esse é o nome do local, segundo Bruno, um menino de 8/9 anos. Out-with é provavelmente Auschwitz. Na longa cerca, Bruno conhece Shmul (Filippo Di Vilio). Um menino que vive do outro lado e veste um pijama listrado. Os dois, que tinham a mesma idade, ficam amigos. Bruno visita-o regularmente e um dia decide entrar no campo de concentração para ajudar Shmul a encontrar seu pai. Shmul leva para Bruno um pijama como o dele e os dois se misturam com outros prisioneiros. São levados a uma sala onde devem entregar os uniformes listrados, e mortos numa câmara de gás.

O pai de Bruno, que se tornou o diretor de ‘out-with’ como parte da sua promoção, fica desolado ao encontrar, junto com a sua esposa, as roupas de Bruno do lado de fora da cerca.

O coreógrafo Daniel Andrade, que é Brasileiro, conseguiu, explorar o temperamento de cada personagem, não só através de sua coreografia, mas também através da plasticidade individual dos bailarinos. Com cada movimento cuidadosamente escolhido e trabalhado, a coreografia de Andrade mostrou riqueza de detalhes, porém, nenhum desnecessário. Houve muita dança durante todos os momentos, inclusive em momentos onde tradicionalmente se faz mise-en-scène, como cumprimentos. Através de soluções teatrais fantásticas e cenas muito bem costuradas, Daniel de Andrade transmitiu com maestria a história proposta.

A promoção do pai de Bruno foi encenada pelo Fury em uma bela dança com soldados. O Fury, que em inglês quer dizer fúria, é a interpretação/pronúncia de Bruno para Führer (Hitler). Esse jogo de conceito e sentido está na obra literária de Boyne. Porém, o coreógrafo Andrade foi além. Daniel Andrade, em uma solução teatral fantástica, transformou Fury em um personagem. Fury representa o mal e manipula os personagens centrais do exército SS na trama. Mlindi Kulashe, interpretando Fury, vestia negro e em todos os momentos aparecia com uma máscara de gás no rosto.

Além do pai de Bruno, o outro personagem manipulado por Fury é o Tenente Kotler, que está baseado em ‘out-with’ e é quem recebe o comandante ao chegar com a sua família. Ele é cruel e sente prazer em humilhar e maltratar os prisioneiros e empregados. Característica essa que chama a atenção da menina Gretel. Gretel é cheia de vida, esperta e ágil. Uma aluna aplicada. Porém, o conteúdo ensinado na educação nazista não agrada à sua mãe. Inclusive, esse é um motivo de discussão entre o casal, pais de Bruno e Gretel.

Bruno não tem muito interesse nos estudos, porém, gosta de explorar. Foi em uma das suas “escapulidas” que descobriu a cerca. Uma solução teatral interessante foi o jogo de luz que ajudou a aumentar a distância entre a casa de Bruno e o campo de concentração. Toda vez que o menino ia ao campo, ele fazia o mesmo trajeto, que era demarcado por uma faixa retangular de luz por onde o menino passava. Reto pelo avant-scène, na diagonal para o fundo, reto no fundo, diagonal para frente e mais uma linha no avant-scène. Era nesse último trajeto onde a cerca descia para dividir o palco.

A iluminação de Tim Mitchell teve um papel também significante na ambientalização das cenas. Por vezes, dividindo o palco em dois, três ambientes simultâneos. A iluminação foi feita por luz branca. Os efeitos cinzas nos transportavam para dentro de uma escuridão fria. Cor foi usado apenas uma vez, um foco de vermelho intenso, quando o Tenente Kotler foi rebaixado e enviado para a guerra como soldado de frente de batalha. Isso como punição por ter se envolvido com a esposa do comandante. Penso que cores poderiam ter ajudado a transmitir a atmosfera das cenas, além da ambientalização.

A música de Gary Yershon teve suspense, intriga e ingenuidade, transmitido pelo piano, que foi usado como leitmotiv de Gretel. A música por si só é muito difícil e apresenta algumas linhas melódicas simultâneas. Não foi uma música “dançante”, como é comum em ballets. Porém, o que poderia ter representado dificuldade, transformou-se em liberdade para a criação de cenas e danças.

A cena mais forte do enredo foi o momento em que os prisioneiros eram executados na câmara de gás. Um belo momento onde os prisioneiros, após se despirem e entregar os uniformes, entram para uma câmara, demarcada apenas pela entrada. Forte fumaça começa, então, a descer em cima dos prisioneiros. O enredo dramático não ajudou para termos um final marcante, que fixasse na memória. Na última cena do ballet, o comandante ficou chorando em cima das roupas do filho, e a Fury triunfando em suas costas.

Escute Daniel Andrade em entrevista:

https://www.youtube.com/watch?v=L6owWrAKhcM

Chamada para o ballet:

https://www.youtube.com/watch?v=LzEadETHrRw&feature=youtu.be


Ensino da técnica do ballet clássico para adultos: Considerações – 15ª parte

Olá,

Continuando a minha série sobre o trabalho na barra, o objetivo, nesta postagem, é falar um pouco sobre o exercício do battement frappé.

O verbo frapper em francês é traduzido como bater no sentido de golpear. Considero, atualmente, a palavra “golpeado” mais apropriada para este exercício. O trabalho consiste em uma flexão da articulação do joelho flexionando a perna e uma rápida extensão (golpe) que vai desenvolver agilidade e força na musculatura extensora da perna e também, com menos ênfase, nos flexores da coxa.

O battement frappé é um exercício polêmico. As diferentes escolas apresentam formas distintas de fazer essa ação. Quando o joelho está fletido, algumas escolas determinam que a posição sur le cou de pied pode se apresentar em dorsiflexão, outras em plantiflexão e algumas utilizam os pés com plantiflexão, mas sem a flexão dos dedos. Ainda nessa postura, a posição sur le cou de pied pode ser a frente e atrás, sendo que na posição a frente pode ser com todo o pé na frente do outro ou apenas com o calcâneo a frente e os dedos atrás da perna abraçando o tornozelo do outro pé.

Quando ocorre o movimento de extensão da perna (golpe) algumas escolas ensinam que deve-se raspar o metatarso (meia-ponta) pressionando o chão. Para outras o pé, ao sair do chão, estará sempre em plantiflexão com flexão dos dedos e portanto não raspará o chão. A altura dos frappés também diverge nas diferentes escolas, podendo ser de 30º até 45º. Em geral, todas as escolas recomendam a acentuação do exercício na extensão, ou seja, com acento para fora.

Todavia, em comum, todos os métodos trabalham os extensores e flexores da perna que é o grande objetivo deste exercício. O grande trabalho é a manutenção da flexão da coxa isometricamente enquanto o trabalho preciso dos extensores da perna nos “golpeamentos” fortalece e traz agilidade para essa musculatura. Quando se faz a dorsiflexão e a raspagem no chão trabalha-se também a musculatura que atua nos pés e dedos.

O battement frappé é um exercício de difícil execução para os iniciantes. Já observei várias formas de começar esse treinamento. Usualmente, os professores começam ensinando a posição sur le cou de pied e estendem a perna no degagé  no chão a frente, ao lado e atrás. Eu, nas aulas de adultos iniciantes, ensino utilizando na flexão da articulação do joelho a posição sur le cou de pied abraçando o tornozelo oposto e na extensão, sem raspar no chão, a altura da perna a 45º. Minha escolha por este formato deve-se a minha observação, nos últimos 20 anos que venho atuando como professora para alunos adultos. Observei que a eversão é melhor apreendida com o trabalho da posição sur le cou de pied que abraça o outro tornozelo. Quanto ao movimento de extensão oriento na altura de 45º, pois percebi que os alunos não perdem tanto a rotação externa, o famoso en dehors, durante a realização do trabalho, além de associar com os futuros passos no centro gravando em suas memórias corporais essa angulação. Porém, ao dar aulas para profissionais, se for meu objetivo trabalhar a musculatura dos pés, uso a raspagem no chão. Escolhas…

A agilidade e a coordenação dos battements frappés com trabalho de braços e da cabeça demonstram o nível artístico, o controle e a consciência do bailarino, pois é na velocidade que podemos reconhecer o grau de maturidade que ele tem. Adoro ver um bom bailarino executando  o battement frappé corretamente, principalmente os duplos. Gosto muito desse vídeo com a belíssima bailarina francesa Isabelle Ciaravolla realizando os battements frappés que está disponível em: https://youtu.be/ogfQYxWMuBY

Neste exercício reitero o trabalho dos pés com plantiflexão e eversão. Nesse caso reforço a flexão dos dedos dos pés que às vezes se perde na posição sur le cou de pied. Fora isso, insisto no habitual que é a manutenção dos músculos abdominais para a postura correta do bailarino, a pelve neutra e a ativação e manutenção dos rotadores externos.

Antes de terminar gostaria de falar da associação usual do batement frappé com o petit battement sur le cou de pied que trabalha mais a musculatura flexora da perna já que o foco é a flexão da perna, ou seja, com acento dentro. Acredito que essa complementação é muito oportuna para o trabalho muscular já que o movimento de flexão e extensão da perna será muito utilizado depois nos passos do centro, que por sua vez será usado nas coreografias. Um exemplo bem claro são as famosas pirouettes fouettés en tournant a 45º. Para realizar bem os 32 giros, a bailarina vai precisar executar muito bem o movimento de extensão da perna ao lado e depois de flexão ao fazer o retiré passé durante o giro. (neste link tem outras informações interessantes sobre os fouettés para quem quiser.  https://www.youtube.com/watch?v=l5VgOdgptRg  )

Na próxima postagem, pretendo finalizar os exercícios da barra com os battements developpés já que os grand battements tendu jetés foram analisados no meu texto aqui nesse blog em maio de 2013.

Beijos, Helô


Estreia Mundial do ballet Casanova

No dia 11 de Março de 2017 estreou um novo ballet para os amantes de repertório e histórias, Casanova. Coreografado por Kenneth Tindall na música de Kerry Muzzey. O Ballet, em dois atos e onze cenas, é dançado pelos bailarinos do Northern Ballet no Grand Theatre da cidade de Leeds, na Inglaterra. A primeira temporada ocorre do dia 11 ao dia 18 de Março. Eu assisti ao espetáculo do dia 15 de Março. O ballet conta a história de Giacomo Girolamo Casanova (1725-1798), baseando-se na biografia de Casanova escrita por Ian Kelly, que também assina o libreto.

Casanova, nascido em Veneza, teve a sua história transformada em um símbolo do século XVIII na Europa. Este século representa uma constante dicotomia entre o sagrado e o profano. O século XVIII é a época da caça às bruxas e das festas regadas a bebidas e orgias. Casanova foi músico, escritor, matemático, bibliotecário e “concumbino”. Ele foi condenado pela inquisição por se interessar por cabala e ciências “modernas”, como a medicina. Conseguiu fugir de forma cinematográfica pelo telhado da sua prisão, ou pelo menos assim o descreveu em sua autobiografia “História da minha vida” (Historie de ma fuite).

O ballet começou com uma dança em uníssono de monges, representando a primeira parte de vida de Casanova, quando estudava para a vida eclesiástica, e trouxe desde então o interesse do herói por literaturas proibidas. Um livro vermelho que, fazendo jus à época que estamos, ao ser aberto brilhava uma luz led cor diamante, que contrastava com a escuridão do mundo ao redor.

Por falar em luz, a iluminação de Alastair West merece crédito não só pelos efeitos, mas pela habilidade com que a iluminação integrou o enredo, tornando-se por vezes a única responsável por “mover” o drama, ou seja, por contar a história. Assim foi na condenação do Padre Balbi, quando um largo foco de luz, que desenhava uma vidraçaria no chão do palco, foi se fechando, até deixar o bailarino em total escuridão. Assim também foi no infarto do Senador Bragadin, onde Casanova salva-o ao aplicar seus conhecimentos de primeiros-socorros aprendidos nos livros proibidos pela igreja. Esse momento foi contado apenas por flashes de luz onde canhões de luz ora da esquerda, ora da direita, ora de cima, iluminavam os bailarinos em cena, cada hora em uma pose conjunta.

Outro ponto marcante deste ballet é a exploração da decoração, criada por Christopher Oram. A decoração durante o primeiro ato era formada por três grandes pilastras que se movimentaram quase que ininterruptamente, demonstrando ambientes diferentes a cada cena. Grandes portas espelhadas foram abertas e por vezes substituíram as pilastras no segundo ato. Lindas portas que traziam luminosidade ao placo nos momentos de festa e orgia. A decoração dançou, literalmente. Os bancos na missa giravam, as pilastras iam para frente e para trás, a mesa, cadeiras, poltronas, espelho e tudo mais entravam e saiam de cena levados pelos bailarinos que os giravam como piruetas, às vezes de forma exagerada. Exagerada também estavam as marcações da decoração no palco. Aquelas fitas adesivas que marcam o local onde o objeto, ou o bailarino deve ficar. Tinham fitas espalhadas por todo o palco, de todas as cores.

Os figurinos, também de Chistopher Oram, foram muito bem elaborados, bonitos, sensuais e interessantes, que demostravam o estilo da época de forma contemporânea, ou seja, sem nenhuma intenção de fazer uma ‘mímica’ das roupas de época. 

A coreografia de Tindall misturou um alto padrão de dança clássica com movimentos básicos de dança contemporânea. Os pas de deux belos e tecnicamente difíceis, danças coletivas fortes e cada uma com a sua característica. Uma coreografia linda que explorou a sensualidade dos bailarinos de forma sutil, e a sexualidade dos momentos de orgia de forma respeitosa e bela. Em nenhum momento me senti incomodada pela sexualidade que permeou o ballet do início ao fim. Tindall fez isso de uma forma impressionante, até o nu de Casanova, no momento em que ele vira concumbino da Madame de Pompadour, teve seu lugar e não me pareceu desnecessário. Foi belo. Explorar tanto os relacionamentos héteros, como os homossexuais de Casanova merece todos os meus aplausos. E pela reação do público masculino, não aparentaram incomodados com as cenas que representavam o sexo entre homens. Casanova, um lindo bailarino de porte atlético, interpretou e dançou o seu papel com maestria.

Tenho apenas uma crítica a fazer com referência ao trabalho do coreógrafo. Muitas cenas não ficaram claras, principalmente no primeiro ato. Por exemplo, o senador Bragadin, apaixonado por Casanova, flagra-o com a freira M.M. e todos saem correndo pelo lado esquerdo, enquanto no canto direito, um homem todo vestido de vermelho levanta o branco apontando para a direção por onde eles correram. Daí a entender que Bragadin veio avisar Casanova que a inquisição estava atrás dele, só lendo o programa.

Por falar em programa, devo registrar a minha indignação. O programa, um lindo livro de tamanho A4, com papel grosso fosco, fotos e comerciais, traz o nome de todos os envolvidos, inclusive uma foto do rosto de todos os bailarinos. Porém, não diz quem interpretou qual papel. É inadmissível um programa não dar créditos aos seus artistas. Que acrescentassem uma folha avulsa com os bailarinos principais do dia.

A música de Kerry Muzzey foi bonita, porém sem desenvolvimento e com uma harmonia bastante semelhante do início ao fim. Baseada em melodias dispersas que iam e vinham, a música não acompanhou a história dramática, não mudou as suas características no decorrer das diversas facetas do herói e do enredo. Confesso que no meio do primeiro ato pensei estar ouvindo uma trilha sonora de um filme, ao invés de um ballet de enredo. Após ler sobre o compositor, descobri que ele compõe para cinema e que esse é o seu primeiro trabalho para o teatro.

Link para o trailer oficial:

https://www.youtube.com/watch?v=5TUdxK_Y-mo