Ensino da técnica do ballet clássico para adultos: Considerações – 16ª parte

Olá,

Finalizando a minha série sobre o trabalho na barra, nesta postagem o objetivo é refletir sobre o exercício do battement developpé.

Habitualmente chamado de developpé nas salas de aula de balé é, conforme a mestra Vaganova, um movimento de adágio e com tempo lento. Aragão e Caminada (2006, p. 142) traduzem a palavra developpé como desenvolvido, desdobrado.

Considerado por muitos o “terror da barra”, por se caracterizar, em geral, pelo esforço da elevação dos membros inferiores em alturas superiores a 90º, acredito ser um exercício de extrema importância muscular. É na hora do developpé que a força muscular isométrica (para sustentar o membro inferior elevado) dos flexores ou extensores da coxa serão usados de forma intensa, bem como a força excêntrica ao descer controladamente o mesmo, além do trabalho incrível do equilíbrio, já que o executante está apoiado em apenas uma perna, a qual está em rotação externa.

Esse exercício também vai potencializar os movimentos suaves e controlados dos bailarinos, dando a eles a possibilidade de elevar o membro inferior usando uma força enorme e parecer que não está fazendo nenhum esforço com a parte superior do corpo. A respeito desse tipo de controle, sempre lembro aos meus alunos que esse deve ser um dos principais focos do aprendizado, pois a técnica do balé clássico requer gestos suaves e delicados característicos da nobreza, na qual ela foi desenvolvida. Aqui a dissociação entre o trabalho de coordenação de braços e pernas e cabeças é um teste. Portanto, o exercício do battement developpé é um dos momentos cruciais para enfrentar esse desafio. 

Nas aulas para iniciantes adultos, observo sempre uma grande ansiedade em querer fazer grandes elevações e nesse anseio, muitas vezes acontece um erro muito comum que é o da mobilização da pelve para atingir o fim desejado. Ocorrem básculas laterais, anteversão e retroversão da pelve. Explico então que o objetivo é sim elevar o mais alto possível o membro inferior, porém a pelve não vai iniciar o movimento. Quem inicia o movimento à frente e ao lado são os flexores da coxa (com ênfase no iliopsoas) e atrás os extensores da coxa (com ênfase no grande glúteo e no bíceps da coxa).

Para conseguir esse grau de controle e consciência do isolamento da articulação do quadril e dos movimentos da pelve, começo sempre trabalhando esses exercícios no chão, assim, amenizada a ação da gravidade sobre os membros inferiores, fica mais fácil para o aluno identificar e mais tarde controlar essa elevação. Enfatizo que separar as partes é uma das características mais significativas da técnica do balé clássico e essa consciência corporal, esse controle é de extrema utilidade para o bailarino. Quanto mais ele se conhece e se domina, mais ferramentas ele terá para usar em sua dança.

Para os alunos mais adiantados explico que a partir de uma certa altura (depende de cada corpo) será inevitável que a pelve acompanhe o movimento, principalmente atrás. Brinco que não temos as pernas da boneca Barbie, que pode fazer uma circundução completa sem mexer a pelve… felizmente ou infelizmente!!! Além de que, existem pessoas com maiores e outras com menores possibilidades anatômicas para grandes elevações. As características ósseas do acetábulo e da angulação da cabeça do fêmur determinam muito dessas possibilidades nas elevações do membro inferior à frente e ao lado. Já atrás, além das características ósseas, deve se levar em conta também o tamanho do membro inferior, do tronco e do espaço existente entre as últimas costelas e a pelve (crista ilíaca)

Como sempre reforçado, a rotação externa, a plantiflexão dos pés com eversão, a manutenção dos músculos abdominais para a postura correta do bailarino, devem estar presentes em todos os exercícios. Finalizo com essa postagem, minhas considerações sobre o trabalho da barra, visto que nos exercícios do battement tendus, jetés, já abordei os grand battements. Pretendo a partir de agora fazer reflexões sobre alguns exercícios do centro. Até breve! Beijos, Helô


Comentários

Heloisa Almeida
Heloisa Almeida

Heloisa Almeida pertenceu ao Corpo de Baile do Teatro Municipal do Rio de Janeiro e ao Corpo de Baile do Teatro Guaíra em Curitiba. Formou-se em fisioterapia e atualmente é professora do curso de dança da UniverCidade e pertence ao corpo de professores do Lyceu Escola de Danças.